Foto: Verdadeiro Olhar
Publicidade

Há 26 casos confirmados de doentes portadores de uma bactéria multirresistente, designada KPC (Klebsiella pneumoniae carbapenemase), no Hospital Padre Américo, em Penafiel.

“Neste momento foram identificados 26 casos, na sua grande maioria portadores. Encontram-se todos em isolamento”, explica o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa em resposta ao Verdadeiro Olhar.

Segundo a mesma fonte, esta bactéria é do grupo das enterobacteriáceas que faz parte da flora normal do intestino humano e continuará a haver “doentes portadores e infectados”. “Quando o doente é exposto a antibioterapia para tratar determinada infecção pode adquirir resistência a antibióticos”, sustenta o centro hospitalar.

As medidas adoptadas visam tentar evitar a transmissão. “Estas bactérias estão em circulação na comunidade, a detecção não é recente, mas dado o número de casos foi necessário tomar mais medidas”, justifica o hospital.

A maioria dos doentes, que estariam no piso 8, dedicado à cirurgia, são portadores e não têm sintomas, não necessitando de tratamentos. “Só uma minoria é infectada e nesses a infecção em si não é o mais grave, torna-se é mais difícil de tratar por termos menos opções terapêuticas (antibióticas) disponíveis”, salienta o CHTS.

O Hospital Padre Américo adianta que adoptou as recomendações da Direcção Geral de Saúde seguidas em todos os hospitais: “Foram adoptadas medidas de isolamento destes doentes, rastreio dos contactos, restrição de visitas para reduzir fluxo de pessoas nas enfermarias, entre outras”. As visitas, por exemplo, têm tido, nos últimos dias, períodos mais curtos de visita (30 minutos de manhã e 30 minutos à tarde.

Questionado sobre se há vidas em risco, o hospital realça que “as pessoas internadas em ambiente hospitalar estão doentes e, por isso, em risco”.

“O risco é maior quando existe resistência a antibióticos, mas de momento não há razão para nenhum alarme e todas as medidas estão a ser tomadas de acordo com recomendações”, concluem os responsáveis pelo CHTS.

Recentemente, em Março deste ano, oito doentes foram colocados em isolamento no hospital de Viseu por terem a mesma bactéria. Segundo várias notícias vindas a público, no final de 2015 e em Janeiro de 2016, a KPC causou a morte a seis pessoas, três no Centro Hospitalar Universitário de Coimbra e três no Hospital de Gaia.