O parque de estacionamento da Câmara Municipal de Penafiel junto ao Hospital Padre Américo passou a ser pago desde a semana passada.

Estacionar naquele espaço, recentemente beneficiado, custa agora um euro por dia, sendo que as verbas revertem a favor da construção do Centro de Dia da Associação para o Desenvolvimento da Freguesia (ADF) de Guilhufe e Urrô.

Tanto a Câmara Municipal como a instituição falam em benefícios para os utentes que têm agora mais segurança, limpeza e um melhor serviço.

Vitorino Oliveira, presidente da ADF de Guilhufe e Urrô, espera que as verbas angariadas ajudem a construir uma obra orçada em 800 mil euros e que faz falta numa freguesia onde cerca de 800 habitantes tem mais de 65 anos.

Havia vandalismo e tráfico de droga no parque, diz autarquia

Foi em 2013 que arrancou a concessão dos parques de estacionamento do Hospital Padre Américo em Penafiel. Na altura, muitos autarcas se insurgiram contra o processo que levava à cobrança de valores elevados por um curto espaço de tempo. Os parques começaram a ficar vazios com as viaturas dos visitantes e utentes do hospital a acumular-se nas vias circundantes.

A Câmara Municipal de Penafiel disponibilizou, algum tempo depois, um terreno contíguo ao hospital que passou a ser utilizado como estacionamento, procurando atenuar o problema dos carros estacionados nas ruas.

Recentemente, foi realizada uma beneficiação do piso do parque, até então em terra batida. Agora, o município optou por ceder a exploração do espaço à Associação para o Desenvolvimento da Freguesia de Guilhufe e Urrô, o que, segundo o presidente da Câmara Municipal de Penafiel é uma solução “útil e agradável”.

Questionado sobre a alteração efectuada, pelo Partido Socialista, durante a última Assembleia Municipal, Antonino de Sousa lembrou que aquele parque foi criado na sequência da concessão que o hospital fez no parque de estacionamento interno. “Foi um conselho de administração tutelado pelo PS que decidiu concessionar. E a maior curiosidade é que concessionaram o estacionamento num terreno pago pela câmara municipal com o dinheiro dos penafidelenses e dado ao Estado para aí fazer o hospital”, criticou o autarca.

Por isso, recordou, o município optou por criar um novo parque ao lado do hospital apoiando as pessoas que não tinham condições para pagar.

“Mas este estacionamento gratuito passou a ser ocupado com regularidade por delinquentes, para tráfico de droga, e havia vandalismo nas viaturas. Fomos fazendo interpelações à GNR para intensificar a fiscalização, mas nem sempre isso acontece e são muitas as queixas recebidas. Por isso, encontramos uma solução útil e agradável”, defendeu o presidente da Câmara.

O protocolo estabelecido com a ADF Guilhufe e Urrô permite “manter o parque a funcionar em condições de segurança, limpo, cuidado e disponibilizando um melhor serviço aos utentes. Além disso, é possível apoiar uma instituição social com uma moeda de um euro que, se não fosse para a instituição, iria provavelmente para um país produtor de droga. Foi uma boa solução”, sustentou o autarca.

Os eleitos no PS lembraram no entanto o precedente que isso pode abrir em relação a outras instituições do concelho que também precisam de ser apoiadas.

“Estamos a pedir um euro, mas estamos a ajudar as pessoas”, defende o presidente da ADF Guilhufe e Urrô

Vitorino Oliveira, presidente da instituição e presidente de Junta de Guilhufe e Urrô, acredita que a solução é benéfica para todos e diz que são poucas as reclamações ouvidas nestes primeiros dias de funcionamento do parque.

“O feedback das pessoas tem sido sobretudo positivo. Há uma ou outra que reclama, mas no geral as pessoas gostam de ajudar”, afirma o dirigente. O protocolo estabelecido com o município, realça, limita o valor cobrado a um euro diário.

A instituição investiu 15 mil euros na vedação do espaço, marcações e montagem do sistema informático e dos equipamentos que regulam o parqueamento dos 150 lugares. Fica ainda responsável pela limpeza e manutenção do espaço.

“Este parque dá maior segurança. Antes havia assaltos nas viaturas, arrumadores e pessoas a tentar vender coisas”, recorda Vitorino Oliveira.

O parque passa a ter sempre alguém no local, entre as 7h30 e as 20h00, tendo a ADF Guilhufe e Urrô criado dois postos de trabalho, salienta.

“Estamos a pedir um euro, mas estamos a ajudar as pessoas. E o carro pode lá ficar o dia inteiro, em segurança. Se calhar quem ia sempre já dava um euro ao arrumador que lá estava”, argumenta o presidente da direcção.

“Espero que este parque seja uma fonte de rendimento para apoiar a associação, mas nem tudo é lucro”, frisa. “Se tirássemos daqui 1.500 a 2.000 euros por mês já ficava contente”, adianta ainda.

Investimento total ronda os 800 mil euros. Ainda faltam 500 mil

A construção do Centro de Dia já arrancou. Na primeira fase foram investidos cerca de 300 mil euros. Para acabar a obra são necessários mais 500 mil euros. A instituição gostava de terminar as obras até 2021. “Esta é a grande aposta da freguesia. Temos realizado almoços, jantares, festas… e vimos aqui a oportunidade de amealhar mais uns euros”, explica.

Vitorino Oliveira salienta ainda que este tipo de equipamentos só é possível com a ajuda de todos, até porque as candidaturas aos programas do Governo actualmente estão fechadas. “Temos que nos substituir ao Estado”, diz.

Na sua freguesia, a terceira maior do concelho desde que houve agregação, com cerca de 5.000 habitantes, são aproximadamente 800 as pessoas com 65 ou mais anos, o que torna o equipamento necessário.

Quando estiver concluído, o edifício vai acolher o Centro de Dia, com capacidade para 40 pessoas, ATL, actualmente com 25 crianças, e ainda permitir a criação de um serviço de apoio domiciliário.