Publicidade

 

O município de Paredes avançou, esta quarta-feira, Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que está a criar um projecto chamado “Caminhar pelo Património” que pretende agregar um conjunto de percursos já existentes e outros a traçar e homologar, acrescentando-lhes valor com o propósito de dinamizar a cultura, o ambiente, o desporto e o turismo nas freguesias do concelho.

Segundo a autarquia, este projecto envolve vários pelouros, diferentes associações e pessoas amigas do património cultural e das caminhadas por Paredes. A meta é ter seis trilhos homologados nos próximos três anos.

“Ainda embrionário, o projecto terá, numa primeira fase, de identificar todo o património (por forma a desenhar os caminhos) onde se pretende desenhar, marcar, homologar e promover trilhos pedestres no concelho, por forma a dar a conhecer, através dos trilhos construídos, o que de melhor e de diferente existe em Paredes. Permitirá, igualmente, que qualquer caminhante/turista possa caminhar de forma autónoma, individualmente ou em grupo, nos trilhos desenhados”, explica nota de imprensa da autarquia.

A mesma fonte adianta que o objectivo é ter pelos menos seis trilhos marcados e homologados em três anos.

“Os caminhos/trilhos escolhidos passarão, entre outros, pelos monumentos que integram a Rota do Românico; as Casas, Quintas e Agras (entre as quais, as Casas dos Brasileiros em Paredes); as Serras e os Montes (valorizando-se as Serras do Porto e o Caminho da Mineração Romana, assim como Os 3 Picos de Baltar); Rios e Ribeiras; Vias (Romanas, Reais e de Ferro); Personalidades (poetas e prosistas); e demais singularidades (“Ao Encontro da Lontra” e “O Tremoço: do campo ao Copo”)”, diz o município.

A par deste projecto a Câmara de Paredes promete também delinear uma “Rota dos Brasileiros”, “uma vez que este território é rico em património edificado, vivências culturais da vida desta época da história de Portugal que refere os imigrantes portugueses nos Brasil”.

Citado em comunicado, o presidente da Câmara Municipal de Paredes, Alexandre Almeida, acredita que “estas serão novas formas de zelar, de divulgar, de olhar e de ver o património, permitindo-se aos caminhantes/turistas que circulem num concelho uno, Paredes, com a máxima segurança”.