Publicidade

O novo comandante dos Bombeiros Voluntários de Cete, Noel Ferreira, que foi hoje empossado, no âmbito do 93.º aniversário da Associação Humanitária, afirmou estar disponível para trabalhar em prol dos bombeiros e fazer da corporação uma referência no concelho.

Num discurso emocionado, o capitão Noel Ferreira adiantou estar orgulhoso por ter assumido funções como comandante do corpo activo, prometeu ser um comandante rigoroso, amigo dos bombeiros e uma voz actuante na defesa da corporação e da comunidade.

“Aos meus bombeiros, obrigado por estarem aqui neste momento. Não tenho uma vida dedicada aos bombeiros, não tenho uma carreira dedicada aos bombeiros, não posso dizer que alguma vez ambicionei ser comandante de uma corporação de bombeiros, mas mesmo ausente desta casa durante quase 15 anos considero-me um privilegiado por ser tão bem recebido. Acreditem que o facto de depositarem em mim esta confiança faz recair sobre mim um ainda maior peso da responsabilidade e garanto-lhes que tudo farei para assegurar o bom caminho desta instituição”, disse.

“Vejo em cada um de vós a personificação do altruísmo.  Darei o peito às balas por vocês, mas também consciente que vós o fareis por mim”

O recém-empossado comandante dos Bombeiros de Cete assumiu ser um comandante “exigente, meticuloso, um sonhador, ambicioso e rigoroso”, manifestando total disponibilidade para ajudar os soldados da paz em todos os momentos.

“Respeito os meus bombeiros a cada dia,  a cada missão cumprida. Respeito-vos ainda mais por terem apoiado a minha posição actual. Estou nesta posição por vossa vontade e aqui estarei para o que precisarem enquanto assim o quiserem. Saibam que estarei sempre disponível para vós quer como vosso comandante, mas acima de tudo como vosso líder e amigo. Considero que tenho os melhores bombeiros do mundo e o que mais desejo é dar-vos o melhor comandante que possam desejar. Vejo em cada um de vós a personificação do altruísmo.  Darei o peito às balas por vocês, mas também consciente que vós o fareis por mim”, afiançou, encorajando os bombeiros para os novos desafios e o processo de adaptação que terão de enfrentar.

“Vamos ter momentos bons e outros menos bons. Sei que trago ideias e convicções diferentes daqueles que têm vigorado ao longo dos anos, não esperem que esta adaptação seja fácil, mas acreditem que no futuro as vossas acções realizadas hoje mesmo que com muito esforço terão consequências de enorme relevo para a instituição e para a população”, afirmou.

Dirigindo-se ao presidente da Câmara de Paredes, Alexandre Almeida, o capitão Noel Ferreira prometeu uma corporação revigorada extremamente jovem, empenhada, pro-activa e motivada.

O responsável pelo corpo activo dos Bombeiros de Cete, na sua alocução, solicitou ao executivo municipal para que continue a apoiar a corporação, com melhores condições, meios e equipamentos, fazendo desta uma referência no socorro e na defesa dos bens e das pessoas.

“Todos os bombeiros voluntários, cumprem uma missão impossível de ser quantificada monetariamente, talvez seja mesmo por isso que não têm ordenados, mas cumprem uma missão no mais alto nível de altruísmo. Peço-lhe que me ajude a garantir o mínimo de que pode ser atribuído a estes homens e mulheres condições, equipamentos e suporte para que melhor façam o que sabem fazer, salvar vidas. Sei que não vivemos em épocas de riquezas, mas mais uma vez peço-lhe que olhe para nós e para todos estes jovens que vêm em si a referência de apoio aos bombeiros”, frisou.

Noel Ferreira, capitão piloto-aviador da Força Aérea elogiou, também, a“coragem e determinação” da actual direcção dos Bombeiros de Cete,  pela forma célere e diligente como conseguiu “arrumar” a casa depois do período mais conturbado que afectou os bombeiros.

“Exalto a vossa coragem de agarrar esta associação no momento frágil em que o fizeram. Fizeram um esforço tremendo para arrumar e por isso o meu muito obrigado em nome  do corpo activo. Sei que, também, entre nós será preciso tempo de adaptação, sei que tenho ambições bastantes elevadas, mas sei também que conto convosco para as atingir. Esperem de mim uma enorme capacidade de trabalho, mas esperem também que eu vos ocupe muito tempo. Peço-vos em antecipação desculpas pelas vezes em que vos ire pressionar para atingir objectivos”, avançou.

O presidente da Assembleia-Geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Cete, Saúl Ferreira, apesar do optimismo evidenciado em relação ao presente e futuro da instituição, recordou os momentos mais conturbados que atingiram a instituição no ano passado com vários bombeiros a contestarem a ex-direcção e o ex-comandante.

“Faz agora  um ano que esta casa esteve na iminência de fechar portas. Muitos dos aqui presentes não imaginam o desespero que vi estampado na face da maioria dos bombeiros voluntários em que numa noite fria de Janeiro do ano passado, eram cerca das 23 horas quando me telefonaram para vir com urgência a este quartel pois era intenção de uma grande maioria do corpo activo depositarem de imediato ao capacetes à porta da sala de direcção e abandonar o seu compromisso com esta casa pois a situação a situação instalada era insustentável para eles. Relataram-me factos gravíssimos para tal tomada de posição, dos quais alguns me tornaram perplexos. Como era possível a direcção, o comando de então terem estes homens e mulheres aqui a trabalharem naquelas condições”, sublinhou.

“Conseguimos chegar a uma situação que criou a possibilidade de alguém competente tomar as rédeas desta casa e colocá-la de novo com a boa imagem que sempre teve perante a população”

Saúl Ferreira revelou, também, que nesse dia conseguiu demover os mais de 30 bombeiros que estavam reunidos consigo sob a promessa de reunir com a direcção,  o comandante para que uma solução fosse encontrada e para que o rumo para o abismo fosse revertido.

“Tal solução apresentada por estes bombeiros era apenas uma, a demissão da direcção e do comandante e novo sangue fosse trazido a esta casa com a criação de condições para que pudessem trabalhar com dignidade. A história do que se passou a seguir todos vocês já conhecem. Infelizmente tive de tomar decisões que nunca pensei vir a ser obrigado a tomar quando no primeiro dia assumi a presidência da Assembleia-Geral, ou seja destituir uma direcção  por incompetência”, declarou.

Sobre este processo, o presidente da Assembleia-Geral avançou ainda: “Nunca esta casa assistiu a tão triste história quando nos foi negada a entrada por alguém agarrado ao poder injustificadamente, mas como ninguém está acima das instituições, ninguém é insubstituível, conseguimos após uma dura luta e com empenho  do vereador com o pelouro da Protecção Civil da Câmara Municipal de Paredes chegar a uma situação que criou a possibilidade de alguém competente tomar as rédeas desta casa e colocá-la de novo com a boa imagem que sempre teve perante a população”, acrescentou ainda.

Falando do novo comandante, Saúl Ferreira realçou a forma cordial como o capitão Noel Ferreira geriu todo este processo e relevou as suas qualidades enquanto profissional.

“O capitão Noel Ferreira encabeçou um grupo de mais de 30 homens revoltados com as paupérrimas condições em que trabalhavam. Sei pelas conversas que tivemos ao longo daqueles conturbados meses que nunca foi sua pretensão chegar a qualquer lugar,  mas sim a ajudar os seus companheiros a terem condições condignas. Também sei que ficou extremamente lisonjeado quando foi convidado a assumir o papel que hoje assume e estou certo que o vai desempenhar com enorme profissionalismo e competência que todos reconhecem. Desejo-lhe os maiores sucessos porque o seu sucesso será o sucesso de toda a associação e por conseguinte o bem-estar da população a seu cargo”, manifestou.

“Graças ao esforço, à união dos corpos sociais e ao corpo activo conseguimos num tão pouco espaço de tempo repor a alegria, o optimismo e a esperança de que toda a actividade dos bombeiros será cumprida e bem exercida”

Já o presidente da direcção dos Bombeiros de Cete, Paulo Pinto, confirmou que a associação dispõe presentemente um corpo de bombeiros mais unido, mais forte, mais capaz e mais numeroso.

“A Associação faz 93 anos após um ano seguinte menos feliz nesta colectividade, mas graças ao esforço, à união dos corpos sociais e ao corpo activo conseguimos num tão pouco espaço de tempo repor a alegria, o optimismo, e a esperança de que toda a actividade dos bombeiros será cumprida e bem exercida”, disse, relevando a capacidade e determinação do actual comandante.

“Espera-o muito trabalho, canseira e disponibilidade, mas pode sempre contar com o apoio incondicional da direcção”, asseverou, reiterando poder continuar a contar como o apoio da Câmara de Paredes, das juntas de freguesias da área de influência dos Bombeiros de Cete e dos empresários de uma forma geral.

Já o vice-presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, José Morais, relevou o trabalho dos soldados da paz em prol do socorro, da protecção das populações e recordou que há um conjunto de situações que têm afectado os bombeiros que merecem uma reflexão sobre aquilo que é o seu trabalho.

“Têm existido um conjunto de negociações difíceis que nos permitem chegar a algumas conclusões, nomeadamente a participação naquilo que são os dispositivos da Autoridade Nacional de Protecção Civil.  Está agendada uma reunião para segunda-feira, em conselho nacional. Os bombeiros são o principal agente da Protecção Civil no nosso país. Mais de 92% da actividade de socorro é feita pelos bombeiros”, concretizou.

O segundo comandante operacional distrital da Federação dos Bombeiros Portugueses, Albano Teixeira, elogiou a determinação dos Bombeiros de Cete mesmo num período conturbado como o que viveu a corporação em 2017.

“Como é do conhecimento público, a associação não tinha comandante, tinha um oficial de bombeiro, durante todo o dispositivo de combate a incêndios florestais (DECIF) que agora mudou de nome, constatei neste corpo de bombeiros aquilo que honra todos os corpos de bombeiros que se resume a fortaleza, a vontade, a querer, ao trabalho árduo e isso foi notório no incêndio em Sobreira e em todos os incêndios que ocorreram no ano passado. Uma palavra de apreço para a direcção que esteve sempre ao lado dos bombeiros que não tinham comandante, mas tinham grandes combatentes”, acrescentou.

“Desde que fui eleito presidente da Câmara de Paredes além dos subsídios que irão ser pagos ao longo deste ano será conferido um subsídio aos Bombeiros de Cete de cinco mil euros que nos foi solicitado para aquisição de fardas”

O presidente da Câmara de Paredes relevou a importância do Posto Avançado de Cete localizado em Recarei, que será inaugurada no dia 29 deste mês, que pretende melhorar o socorro na parte sul do concelho de Paredes.

O autarca manifestou que o município vai continuar a apoiar as corporações dos bombeiros.

“Desde que fui eleito presidente da Câmara de Paredes além dos subsídios que irão ser pagos ao longo deste ano será conferido um subsídio aos Bombeiros de Cete de cinco mil euros que nos foi solicitado para aquisição de fardas”, afiançou.

Além da tomada de posse do novo comandante, foi, também, apresentado o corpo de bombeiros constituído por 43 Bombeiros, 17 Estagiários, dois cadetes e dois infantes, conferidas várias distinções e apresentada uma nova viatura de transporte de doentes não urgentes.