Publicidade

Sensibilizar a sociedade para o envelhecimento e para a necessidade de proteger e cuidar da população mais idosa, muitas vezes esquecida, é o grande objectivo do Dia Internacional do Idoso, criado pela Organização das Nações Unidas.

Para cumprir este desígnio e proporcionar um dia diferente e de convívio aos seniores de Paredes decorreu, esta quarta-feira, no Pavilhão Rota dos Móveis, em Lordelo, a comemoração do Dia do Idoso. A iniciativa, organizada pela Santa Casa da Misericórdia de Paredes em parceria com o Movimento Sénior da Câmara Municipal de Paredes juntou mais de 1.000 idosos de todo o concelho. Durante a manhã houve missa campal, seguindo-se um almoço convívio e uma tarde com animação musical.

Houve quem dançasse e quem ficasse a ver. Mas os seniores não escondem que este dia os faz sentir reconhecidos. “É a primeira vez que vim e estou a gostar de ver este bailarico. Também gostei muito da missa e do almoço. É importante haver estes convívios para nos divertirmos. Os idosos nem sempre são valorizados”, referiu Emília Dias, de 71 anos, residente em Lordelo.

Também José Fontes, de 80 anos, utente do Centro de Dia do Centro Social de Cete tem opinião idêntica. “Estou a gostar da festa. Apesar da minha idade gosto de me divertir. Já dei um pezinho de dança e se a minha saúde o permitisse mais eu aproveitava. Estas iniciativas são um reconhecimento aos mais idosos”, salientou. “Tenho vindo sempre a estas actividades e também aos passeios organizados. É uma forma de sair de casa, pelo menos enquanto puder”, reconhece Deolinda Lopes, de 77 anos, Gandra. Também José Cardoso, de 66 anos, de Vilela, costuma vir ao Dia do Idoso com a esposa. “É um dia importante e um dia que passamos em família e com amigos. A forma como as pessoas mais velhas são encaradas está a melhorar. E gosto muito de ver esta animação”, assegura.

No meio da festa houve uma segunda festa com a turma de ginástica da Junta de Freguesia de Vandoma. Helena Costa, uma das utentes, celebrou os seus 59 anos entre os amigos. “A maior parte dos colegas com mais de 55 anos vinha para aqui. Por isso, trouxemos a festa até cá. De espírito não tenho 59 anos”, garantiu. “Este tipo de convívios deve continuar. Os nossos idosos são muito esquecidos. Na nossa freguesia há muita gente sozinha e sem ninguém que os visite. Tudo o que é feito a favor dos mais velhos é de louvar e fomentar”, disse Helena Costa.

Durante uma pequena intervenção, o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Paredes, Ilídio Meireles, falou deste não como o dia do idoso mas o dia dos “menos jovens”. “Estamos aqui para servir a população menos jovem. Tivemos a eucaristia para reconfortar a alma, o almoço para reconfortar o corpo e agora a música para reconfortar o espírito jovem que queremos que mantenham”, afirmou. Já o vereador do Desporto da Câmara Municipal de Paredes, Cândido Barbosa, salientou que há oito anos atrás apenas cinco instituições integravam o Movimento Sénior, quando hoje são 17. “O Movimento Sénior existe para dar continuidade ao trabalho das instituições. Só este ano foram organizadas cerca de 20 actividades”, realçou.