Em Novembro, o estacionamento pago nas cidades de Valongo e Ermesinde voltará a ser cobrado. A Câmara já avançou com o recondicionamento dos parquímetros e promete que não haverá caça à multa.

Os custos a aplicar serão mais reduzidos, assim como o horário em que será feita a cobrança e haverá cartões para comerciantes com desconto.

“Fizemos um recondicionamento dos parquímetros. Retiramos as máquinas existentes porque não nos foi dado acesso pela concessionária. Colocou-se uma fechadura nova e aproveitou-se para recondicioná-los porque estavam com muito mau aspecto e alguns tinham sido vandalizados. Estamos a colocar menos, só 87, o que corresponde a menos lugares pagos”, explica Paulo Esteves Ferreira.

“O nosso objectivo não é ganhar dinheiro com isto. Não é um negócio para a câmara, é para ajudar o comércio local, para que possam ter clientes à porta”, refere o vereador da Mobilidade.

O autarca lembra que o valor a cobrar foi reduzido e passará a ser de 40 cêntimos à hora. Também o aviso de pagamento desce para quatro euros, para quem pagar de forma voluntária. Ao sábado deixa de haver cobrança de parquímetros e à semana o período horário é mais reduzido para não penalizar quem reside, passa a ser das 9h00 às 19h00. “Estamos a criar um cartão comerciante com um preço mais reduzido, um desconto em relação ao preço de tabela de um lugar de estacionamento anual”, acrescenta ainda o vereador.

Há ainda um protocolo que já está feito com a Via Verde para permitir o pagamento electrónico. “Estes parquímetros, não sendo da última geração, não permitem ter os primeiros 10 a 15 minutos sem pagar. Queremos ter isso e vamos ter, mas através do pagamento virtual. Aí, quem aderir, os primeiros 15 minutos não paga”, justifica Paulo Esteves Ferreira.

A par disso, “há todo um comportamento que vai alterar”. “A caça à multa de que as pessoas reclamavam não vai acontecer com os ficais municipais. A atitude vai ser pedagógica e não persecutória”, promete. “Só queremos que o estacionamento esteja regulado e beneficie o comércio local”, atesta.

Actualmente, está a ser dada formação aos fiscais para manusear os equipamentos que, no início de Novembro, estarão a funcionar.

Publicidade

Na cidade de Valongo há outras alterações em curso. “Há ruas que passarão a ter um só sentido de tráfego permitindo alargar os passeios e aumentar o número de lugares de estacionamento”, adianta. Toda a estrada nacional 15, desde o cruzamento dos semáforos que dão acesso à Igreja até ao encontro com a Rua da Passagem terá apenas sentido ascendente. “Vai funcionar em anel, quem vem de Campo continua a subir normalmente. Quem desce tem de seguir em direcção à Igreja, descer pelo Pingo Doce e voltar à nacional”, explica Paulo Esteves Ferreira, que acredita que a zona da Praça Dr. Machado dos Santos em direcção a Campo pode crescer em termos de comércio local. “A ideia vai ser testada pela população, se for bem recebida passa a definitiva. Vamos por sinalética de estacionamento máximo de 30 minutos para testar”, refere.

Tudo está envolvido numa estratégia, garante. Mesmo a Praça, que tem sido criticada, ainda não está concluída. Terá mesas e bancos para convívio, pinturas no chão, floreiras, e equipamentos que vão dar outra dinâmica, sustenta o autarca.

Recorde-se que a Câmara iniciou o resgate da concessão do estacionamento pago à superfície nas cidades de Valongo e Ermesinde em Janeiro de 2019, invocando o interesse público e alegando que existia caça à multa. O processo foi dado como concluído em Agosto desse ano, mas continuam em tribunal processos com a concessionária. Foram anunciadas as alterações para redução de preços, só que durante um longo período os parquímetros estiveram desactivados por estarem cheios ou terem sido vandalizados.

Publicidade