Foi apresentado, esta terça-feira, na Casa da Cultura de Paredes, o projecto de Auto-construção em madeira “Árvore de Natal”, uma iniciativa da Câmara de Paredes em articulação com os alunos de mestrado da Escola Superior de Artes e Design (ESAD).

O projecto propõe-se constituir uma árvore de Natal com peças de madeira que pode, por exemplo, materializar-se numa árvore habitável, e vai ser elaborada pelos alunos de mestrado da ESAD durante o período de aulas e ao longo do mês de Novembro.

Depois de construída, a árvore ficará exposta nos jardins da Casa da Cultura, local onde a árvore ficará exposta até à celebração dos Reis. Está previsto realizar um workshop de Auto-construção, na semana de 10 a 15 de Dezembro.

Durante a fase de construção, os alunos ficarão alojados nas residências criativas (junto ao Largo da Feira).

“O mobiliário para ser competitivo não basta ter só grande rigor de construção, não basta uma aposta forte em matérias primas de qualidade, cada vez mais a inovação, o design  são factores decisivos  para alcançar essa competitividade”

Na apresentação do projecto, o presidente da Câmara Municipal de Paredes, Alexandre Almeida, relevou a importância deste projecto para a indústria do mobiliário, já que o concelho é tido como o maior produtor de mobiliário do país.

“O mobiliário para ser competitivo não basta ter só grande rigor de construção, não basta uma aposta forte em matérias primas de qualidade, cada vez mais a inovação, o design são factores decisivos para alcançar essa competitividade. Tudo o que seja atrair profissionais do design para Paredes é determinante para o sector”, disse, salientando que este projecto vai ajudar a credibilizar e a dar sentido às residências criativas, criadas em Paredes, trazendo para o concelho profissionais que vão desenvolver um projecto que pode vir a ter consequências positivas para a indústria do mobiliário local e fomentar troca de experiências.

“A autarquia vai divulgar o vosso trabalho nas industrias de Paredes, sobretudo, junto das pequenas e médias empresas, que vão ter a possibilidade de conhecer o vosso trabalho e quem sabe estabelecer uma proximidade e uma relação mais profícuo benéfica para ambos”, expressou.

O chefe do executivo recordou que existem empresas que estão a apostar cada vez mais na internacionalização, com operadores do sector que participam já nos maiores certames e feiras internacionais e que competem com grandes marcas italianas do mobiliário.

“Queremos colocar os alunos perante o acto de construir, acreditamos que fazer é inovar, criar”

A coordenadores do curso de mestrado da ESAD, a arquitecta Maria Milano, destacou que  este projecto além de  ser uma oportunidade para os alunos envolvidos na confecção da Árvore de Natal, ajudar a potenciar a ESAD e é o início de um intercâmbio com a autarquia paredense que acredita possa perdurar.

Falando do projecto, Maria Milano esclareceu que este trabalho permite, também, uma socialização dos próprios alunos além de os capacitar para o mercado de trabalho.

“Queremos colocar os alunos perante o acto de construir, acreditamos que fazer é inovar, criar. Há muitos anos que desenvolvemos estes projectos e motivamos os alunos para o acto de construir. Por isso é que estes projectos são feitos em pouco tempo e acontece que muitas vezes o resultado final é diferente  daquele  que tinha sido inicialmente previsto”, sustentou, referindo que os protagonistas da construção da Árvore de Natal em madeira são provenientes de várias nacionalidades, (Brasil e Itália), estão motivados, dispõem de massa crítica pelo que  estão reunidas as condições para que o resultado final seja do agrado da comunidade.

O arquitecto Calos Sousa, também, da ESAD, assumiu  que é fundamental promover o saber fazer e aproximar os designers com a indústria, sendo este projecto vital para fomentar essa relação.

Carlos Sousa realçou, também, existir massa crítica em Paredes, entre os jovens ligados ao mobiliário, que pode e deve ser potenciada.

“Queremos aproximar o ensino superior e o trabalho destes jovens que são da área do design e estreitar laços com os jovens da região que, também, fazem do design”, atestou, reiterando que o saber-fazer tem de ser cada vez mais incrementado.

“É fundamental aproximar o design com a indústria de forma a dar continuidade a este legado e valorizar um sector que é vital para a região”, frisou, confirmando que é determinante estreitar laços, também, com os alunos do ensino de formação profissional, os artífices do sector de forma a fazer face aos desafios com que o mobiliário está confrontado.

“Pretendemos criar um espaço que se torne emblemático, que convide as pessoas a vir à Casa da Cultura, a participar nas actividades de animação de Natal”

O vereador da Educação, Paulo Silva, enalteceu a aposta da autarquia em envolver a comunidade escolar de Paredes, nomeadamente os alunos que frequentem cursos relacionados com a madeira e o Design e a aposta que a autarquia tem feito no sentido de promover o mobiliário, os seus actores e agentes, nomeadamente, os empresários locais.

“Acreditamos  que este projecto vai potenciar o mobiliário, estreitar laços com os empresários do sector. Pretendemos criar um espaço que se torne emblemático, que convide as pessoas a vir à Casa da Cultura, a participar nas actividades de animação de Natal”, adiantou, acrescentando que é possível conciliar o design com o espírito e a identidade do Natal, motivando as pessoas a colaborar.

O aluno Curso de Mestrado da ESDA Caio Xavier, brasileiro, arquitecto, a frequentar o Mestrado de Design de Interiores, assumiu estar expectante relativamente a este projecto e ao resultado final.

“É um desafio grande, um projecto que vai envolver  uma cidade inteira que nos vai permitir desenvolver novas técnicas”, afirmou, acrescentando que veio para Matosinhos com o objectivo de evoluir nesta área.

Questionado sobre o futuro da profissão, Caio Xavier não descurou  a possibilidade de se manter em Portugal depois de terminar o mestrado.

“É uma possibilidade que está em aberto. Sei que existem várias alternativas na minha área, Estou a estudar o mercado local, mas tudo depende das propostas que surgirem”, sublinhou.

A apresentação do projecto contou a presença do professor João Gomes que vai monitorizar toda a fase de construção.