Publicidade

Ao l​​ongo dos últim​​os meses e sob um ambiente de festa, os eleitos do Partido Socialista têm sistematicamente tentado alterar, nos diferentes fóruns, a realidade do xadrez político da Junta de Freguesia de Vilela​. ​​

Mas, caro leitor, com a objetividade e a clareza que tenho incluído nestas crónicas, isto é, livre de dogmatismos ideológicos ou ideias peregrinas, farei de seguida uma análise ao “Teatro da Treta” que o Partido Socialista tentou encenar com as gentes de Vilela e os eleitos locais desta freguesia.

Vejamos,

Em Vilela o povo foi soberano, deu a vitória ao PSD e à Mariana Machado Silva. O Povo quis o PSD a governar Vilela e quis também PS e CDS na oposição, esta foi a vontade popular. No entanto, num desrespeito completo pela democracia e pela vontade do povo, os dois partidos da oposição uniram esforços para servirem de forças bloqueadoras à vontade popular.

As primeiras Assembleias de Freguesia foram autênticas peças de teatro, encenadas e produzidas por uma oposição desrespeitadora da democracia local.

A Mariana, com a sua vontade única e muito particular de trabalhar em prol da sua freguesia, decidiu indicar para membro da sua equipa o Rui Machado, candidato à Junta da Freguesia pelo Partido Socialista. Para espanto de todos, o candidato do PS e restantes membros deste partido, votaram contra a eleição do seu líder, por alegada “falta de tempo”. Relembro, que este senhor era candidato à Junta de Freguesia.

Posto isto, a Mariana não desiste de procurar o consenso e decide propor à assembleia de freguesia mais um nome do Partido Socialista. Na votação proposta, os membros do PSD votam favoravelmente ao nome indicado e, finalmente, tudo parecia ficar encaminhado para se resolver a questão política que atrasava a gestão de Vilela. Contudo, mais uma vez, num total desrespeito pelo resultado eleitoral, o partido socialista boicota o futuro de Vilela e não aceita o nome que a Mariana sugere para Tesoureiro da Freguesia de Vilela.

A “oposição de peito feito” com um resultado eleitoral que lhes deu um honroso segundo lugar, mas desprezando o interesse da freguesia, decide quebrar o voto de confiança que a Mariana lhes tinha dado. Apesar de tudo, esta obstrução democrática em Vilela era clarificadora. O Partido Socialista, quase como numa época inquisitória, procurava destruir e destituir todos aqueles que não se subjugavam aos seus interesses. Terminada a assembleia, todo um enredo de mentiras e populismos era montado nas redes sociais. Dos pré-anúncios de demissões em bloco não concretizados por PS e CDS, passando pela proclamação de eleições antecipadas com os candidatos “sem tempo”, terminando no corte, ilegal e cobarde da verba protocolada com a Câmara Municipal, a oposição insistiu em jogar com o destino das gentes de Vilela.

Até ao passado dia 17 de julho, este era o triste resumo do “Teatro da Treta” apresentado pelo PS ao povo de Vilela. Felizmente, o cenário da treta alterou-se. Foi marcada, para o referido dia 17 de julho, nova Assembleia de Freguesia que se pretendia que fosse clarificadora para os interesses da freguesia. Decorreu a Assembleia e depois da concretização das votações, todos os partidos ficaram representados no Executivo de Freguesia e na Mesa da Assembleia. De referir que esta representatividade global era caso raro no panorama político nacional.

Finalmente, parecia que bons ventos sopravam em Vilela!

Porém, o Partido Socialista não ficou satisfeito com esta clarificação. Não conseguiram o xeque-mate no seu jogo de xadrez e não conseguiram um grand final para o seu teatro da treta. Assim, depois de muitas pressões vindas dos encenadores socialistas presentes na plateia, a secretária do executivo de freguesia, eleita pelo PS, decide apresentar a sua demissão. O Partido Socialista não conseguiu o seu grand final e resolveu acrescentar mais uma cena de treta a este seu teatro.

Não sei qual o caminho que a Mariana deve seguir, mas sei algo que todos devem entender: neste momento, em Vilela, a Mariana é a pessoa mais credível e mais apta para liderar os destinos da Junta de Freguesia.

É completamente incompreensível que o Partido Socialista insista em jogar um jogo que apenas visa a diminuição da Mariana, de Vilela e das suas gentes!

Espero que o “Teatro da Treta” presenteado pelos socialistas termine de uma vez por todas. Vilela não é um palco de brincadeiras, Vilela é terra de gente orgulhosa que não se compadece com jogos mesquinhos de poder.

Bom trabalho Mariana. Viva Vilela!