Lousada, o primeiro concelho do país a ter iluminação pública 100% LED, conseguiu uma poupança na factura energética do município de 60%.

Dados revelados pelo município mostram que os gastos com energia, que eram de 915 mil euros em 2015, baixaram para os 430 mil euros em 2017, apesar de terem sido religadas mais de três mil luminárias.

“Mesmo com um aumento significativo no número de luminárias, que passaram de 9.000 para 12.350, conseguimos poupanças extraordinárias”, salienta o presidente da autarquia, Pedro Machado.

O investimento, de 1,8 milhões de euros, estará completamente recuperado em 2020, acredita a Câmara Municipal.

Eficiência energética dos edifícios municipais é o próximo passo

Em Maio do ano passado, o primeiro-ministro António Costa ligava oficialmente as luzes no primeiro concelho a completar a iluminação pública 100% LED e elogiava a escolha da autarquia de Lousada que estava a poupar nesta área para “investir onde é preciso”.

Pedro Machado lembrava que, depois dos aumentos com as tarifas de energia (4%), em 2011, e da subida do IVA de 6% para 23%, que obrigou vários municípios, incluindo Lousada, a desligar a iluminação pública durante parte da noite ou a apagar algumas luminárias para diminuir as facturas, seria agora possível religar todas as lâmpadas.

No concelho, tinham sido desligadas 3.000 luminárias, cerca de 25% de toda a iluminação pública.

Com o investimento na tecnologia LED, uma solução ambientalmente mais sustentável e mais económica, anunciou agora o município, foi conseguida uma poupança de 60% na factura com a iluminação pública.

“Prossegue a expansão da rede com cobertura de novas áreas implicando a colocação de novas luminárias nas diferentes freguesias do concelho”, adianta a autarquia.

O presidente da Câmara Municipal de Lousada, destaca que os números vêm legitimar a aposta realizada. “De acordo com os dados recolhidos confirma-se que o investimento efectuado vai ser recuperado na totalidade em quatro anos, até 2020. Não menos importante que a poupança que obtivemos é a redução significativa das emissões de CO2 que se firma em cerca de 1000 toneladas anuais”, sustenta.

O município destaca ainda que a substituição da iluminação tradicional pela tecnologia LED permitiu ainda uma redução dos níveis de poluição luminosa, uma vez que o feixe de luz é direccionado na totalidade para baixo.

A Câmara de Lousada vai avançar agora com projectos de eficiência energética em vários edifícios municipais e escolas. “Os projectos estão em fase de candidatura e estão envolvidos 26 edifícios públicos. Contamos avançar rapidamente e prevemos que exista uma poupança efectiva anual de cerca de 60 mil euros”, avança fonte da autarquia.

Publicidade

1 Comentário