Foto: Fundação EDP
Publicidade

O programa Escolas Solidárias Fundação EDP mobilizou 513 escolas, do 2.º ciclo ao ensino secundário, envolvendo mais de 50 mil alunos e professores no ano lectivo 2017/18.

Estas escolas criaram 1.250 equipas solidárias que desenvolveram mais de 1.800 projectos ao longo do ano, com o objectivo de melhorar a vida das suas comunidades, descreve a Fundação EDP.

No total, mais de 176 mil pessoas foram abrangidas por estas iniciativas com estes projectos a somar cerca de quatro milhões de horas de cidadania.

No Porto, houve 14 escolas distinguidas pelos projectos desenvolvidos. A EB de Eiriz, em Paços de Ferreira, e a EB de Sobreira, em Paredes, foram premiadas na categoria Distinção, grau reservado a escolas que tenham um desempenho de qualidade superior e distintivo (até 20 escolas).

Já duas escolas do Agrupamento de Escolas de Ermesinde foram premiadas na categoria Super Escolas, grau atribuído às escolas que reúnam em simultâneo os atributos de ter, no mínimo, três inscrições no Escolas Solidárias; ter 70% de grau “distinções” (incluindo Revelação) no seu historial de participação; demonstrar elevada performance e uma postura de inovação/melhoria contínua (avaliação feita pelo júri), explica nota de imprensa.

Criado em 2010, o programa Escolas Solidárias Fundação EDP mobiliza anualmente dezenas de milhares de alunos e professores de escolas de todo o país, desafiando-os a tornarem-se agentes de mudança positiva.

“Neste sentido, as escolas desenvolvem projectos que contribuam para a melhoria de situações identificadas nas suas comunidades em áreas como a Pobreza e Fome, Desemprego/Sustentabilidade Económica, Educação/Literacia, Saúde, População Sénior, Conviver com a Diferença, Sustentabilidade Ambiental e Parceria Global para o Desenvolvimento Humano, em linha com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da Organização das Nações Unidas”, sustenta a Fundação EDP.

O programa Escolas Solidárias Fundação EDP regressa em Setembro.