Publicidade

A Banda Musical de S. Martinho de Campo, concelho de Valongo, foi seleccionada para representar Portugal no Festival Internacional para Bandas Filarmónicas e Orquestras de Sopros, que vai decorrer na cidade de Differdange, no Luxemburgo. A iniciativa é realizada anualmente, desde 1996, e inclui bandas de vários pontos do globo.

Esta é apenas a terceira vez em que uma banda de origem portuguesa irá representar as cores nacionais.

A cidade de Differdange conta com uma grande parte de população de origem portuguesa pelo que é expectável que a Banda vá contar com o apoio em massa dos emigrantes portugueses neste Festival Internacional de Bandas Filarmónicas.

Segundo o presidente da direcção da Banda de São Martinho, Jorge Benido, a aprovação da candidatura pelo júri fez jus ao trabalho que a Banda Musical de S. Martinho tem vindo a realizar nos últimos anos.

“A Banda de São Martinho tem feito, nos últimos anos, um trabalho muito bem pensado e bem estruturado com o intuito de atingir patamares de qualidade e aceitação no público de cariz, não só local, mas sim regional, nacional e agora internacional. Este trabalho visou a construção de um edifício com condições aceitáveis para os ensaios da Banda e para a criação de uma escola de música, nos moldes do ensino oficial. Depois a preocupação voltou-se para os nossos alunos. Procuramos dar-lhes uma formação sólida e bem consolidada, encaminhando-os para as escolas de ensino oficial, como o Conservatório de Música do Porto, Academia de Costa Cabral e até mesmo os de Lousada e Paredes”, disse.

O responsável pela direcção da Banda de São Martinho esclareceu, também, que a Escola de Música da Banda preparou já para exames de admissão nestas escolas perto de 36 alunos, nos últimos quatro anos.

“Neste momento, estão todos inscritos, frequentam o ensino oficial e têm na nossa escola um apoio a esse estudo. A contratação de professores, passa, quer pela experiência e sabedoria de anteriores Maestros como o António Cunha, como pelos mais recentes licenciados e mestres das Universidades de Aveiro, Minho, ESMAE e a Superior de Educação do Porto. A aceitação por parte de um júri internacional, é a prova de que este projecto foi bem elaborado, está a dar frutos, com resultados bastante coesos e, fundamentalmente, com uma percentagem de 93% de elementos de nascidos em Valongo, estamos a garantir o futuro da Banda”, referiu. “Para a banda, esta aceitação é, claramente, um prémio para todos os que acreditam na sua direcção, nos seus moldes de funcionamento e naquilo que almejam para o futuro da instituição”, acrescentou.

Fotografia: Banda Musical de São Martinho

Falando da fase de aprovação da candidatura, Jorge Benido, expressou que as candidaturas para este tipo de festivais são feitas através de gravações áudio, vídeos e fotografias de concertos em vários dias e locais diferentes.

“Há uma percentagem de elementos que tem de ser constante, nas fotografias e vídeos, sendo que, só nestas condições por vezes são solicitados programas de sala onde constem o nome dos elementos da Banda. Esta regularidade nos elementos, não é um problema para a Banda de Campo, pois possui um quadro bastante completo de músicos efectivos”, disse, frisando que foi a primeira vez que a Banda se submeteu a uma análise deste género.

“O programa a tocar é normalmente mais arrojado, o que obriga a um desenvolvimento técnico de cada músico. O somatório do desenvolvimento de cada um dos elementos, vai dar o resultado final e global da Banda como um todo”

Questionado sobre os objectivos que a Banda São Martinho se propõe atingir no festival internacional, Jorge Benido assegurou que participar nesta competição à escala internacional vai exigir um programa a mais arrojado, que obrigará a um desenvolvimento técnico de cada músico.

“É sempre bonito e desejado obter um prémio neste tipo de concursos. No entanto, este tipo de actividades traz benefícios bem mais importantes e que ficarão presentes nas capacidades dos participantes. Isto é, para este tipo de Festivais, onde a qualidade é uma certeza, pois a presença de Bandas e Orquestras Académicas de países como os Estados Unidos da América, França ou Inglaterra assim o garantem, tem de ser feito um trabalho, ligeiramente diferente daquele que é feito para as romarias. O programa a tocar é normalmente mais arrojado, o que obriga a um desenvolvimento técnico de cada músico. O somatório do desenvolvimento de cada um dos elementos, vai dar o resultado final e global da Banda como um todo. Queremos acreditar que este é o prémio, o verdadeiro prémio que pretendemos obter desta “aventura”, é a experiência que vamos proporcionar aos nossos elementos, bem como as capacidades que vão adquirir na preparação para o mesmo”, assumiu.

“A população de Campo e Sobrado, trata-nos de uma forma excelente e muito amistosa”

Ao Verdadeiro Olhar, o responsável pela direcção da Banda de S. Martinho realçou, também, o apoio que a banda tem tido da parte da comunidade.

“Temos realmente muita sorte com a comunidade local onde estamos inseridos. A população de Campo e Sobrado, trata-nos de uma forma excelente e muito amistosa. A confirmação disso é que a Escola de Música da Banda conta com perto de 160 inscrições nos últimos dois anos. Na mesma linha de excelentes relações realçamos, na Câmara Municipal de Valongo, na pessoa do presidente José Manuel Ribeiro, e na Junta de Freguesia, com o presidente Alfredo Sousa, dois organismos que sempre apoiaram as nossas actividades com o mesmo fulgor que nós próprios gostamos de incutir aos projectos estamos inseridos. Temos recebido pelas redes sociais e mesmo nas nossas instalações as felicitações pelo feito atingido e os desejos que atinjamos um bom resultado no Festival. Recebemos, inclusivamente, felicitações vindas precisamente da cidade onde ocorre o Festival, pois acabamos de descobrir uma comunidade portuguesa, com raízes em várias famílias na cidade de Valongo”, avançou.

Jorge Benido realçou, que a par de algumas empresas que ajudam a banda, a Câmara de Valongo é um dos maiores patrocinadores.

“Esse apoio, é obtido, pela presença em espectáculos e eventos que a Câmara organiza, em que as nossas actuações constam do protocolo anual que é celebrado com as associações dispostas a colaborar. Temos estado presentes em grandes eventos como a Festa da Regueifa e do Biscoito, a Feira do Livro, as Festas de Natal que tem atingido proporções fantásticas para os intervenientes e a EXPOVal. Nestes eventos, que começam a ser uma imagem de marca, pois é uma aposta importante na nossa projecção, temos primado por trazer a público espectáculos diferentes e apelativos a todos os públicos, entre eles concertos multimédia com projecção de vídeos de bandas sonoras de filmes, concertos inter-associações com grupos de dança e agrupamentos Rock do concelho, convidamos solistas de renome internacional, bem como fadistas e cantores de música popular e no São João temos um papel importantíssimo e de enorme responsabilidade nas marchas populares que percorrem a cidade. Neste evento, a câmara confia-nos a responsabilidade da orquestração e execução das partituras das marchas populares de todas as associações, sendo algo em que estamos especialmente atentos para que nada falhe”, manifestou.

Aumento das instalações

Jorge Benido concretizou, também, que a par do desenvolvimento constante da escola de música, a banda tem como objectivo prioritário proceder ao aumento das instalações, dando início a uma nova fase de obras na escola, que culminará com mais cinco salas de aulas. Entre as necessidades da banda estão ainda quadros interactivos ou mesmo aparelhos e sistemas de som.

“A nossa incessante busca pelo conhecimento e pela melhoria das nossas condições leva-nos a nunca estar satisfeitos com o que temos. Para melhorar certos aspectos, tais como a qualidade de alguns instrumentos, ou mesmo a implementação de meios tecnológicos para a nossa escola, tais como quadros interactivos ou mesmo aparelhos e sistemas de som, precisaríamos de dinheiro. Contudo, com a ajuda de todos os elementos da Banda, da Direcção e do Maestro estamos certo que vamos arranjando estratégias para ir minimizando esta lacuna, que se queixam, certamente uma boa parte das associações pelo país”, asseverou.

A Banda São Martinho conta com 54 músicos no seu quadro efectivo. Num futuro próximo, é objectivo da Banda concorrer a mais Festivais ou concursos em Portugal.