Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa e centros de saúde da região participam em rastreio de saúde visual infantil

Projecto-piloto arrancou no Grande Porto, incluindo o ACES Maia/Valongo. Agora vai abranger novos ACES. Na lista estão o do Vale do Sousa Norte e o do Vale do Sousa Sul

0
Publicidade

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa e os Agrupamentos de Centros de Saúde do Vale do Sousa Norte e do Vale do Sousa Sul vão integrar um Rastreio de Saúde Visual Infantil que tem como objectivo o despiste da ambliopia em crianças a partir dos dois anos de idade.

Os protocolos foram assinados no dia 22, com a Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte), com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo.

Este projecto-piloto arrancou em ACES e hospitais do Grande Porto, nomeadamente o ACES Grande Porto V — Porto Ocidental e ACES Grande Porto VI — Porto Oriental, ACES Grande Porto II — Gondomar, ACES Grande Porto III — Maia e Valongo e Centro Hospitalar de São João e Centro Hospitalar do Porto.

Das mais de 5.249 crianças chamadas a fazer o rastreio, 2.865 fizeram os exames e 493 foram encaminhadas para oftalmologia. A 110 foram prescritos óculos, referiu o secretário de Estado, na Maia, onde apresentou os resultados deste projecto-piloto.

Segundo o portal do Governo, estes rastreios permitiram “corrigir a tempo uma patologia que se ia instalando, e que, se não tratada, poderia ter sequelas irreversíveis”.

Por isso, o projecto vai ser alargado a outras zonas do país, já em 2018, para “garantir uma equidade a todas as crianças portuguesas”. Os protocolos foram assinados com oito agrupamentos de centros de saúde e com quatro novos hospitais, incluindo o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa e os Agrupamentos de Centros de Saúde do Vale do Sousa Norte e do Vale do Sousa Sul.

“Assim, serão abrangidas cerca de 15 mil novas crianças, o que equivale a cerca de metade do total de bebés que completam dois anos em 2017”, refere o Governo.

Em nota de imprensa do CHTS, Carlos Alberto, presidente do Conselho de Administração deste centro hospitalar, considera que este é “mais um passo na melhoria dos cuidados prestados à grande população da área de influência do centro hospitalar. O SNS continua assim a cumprir o seu desígnio e o CHTS assume o seu papel para a região do Tâmega e Sousa”.