Publicidade

Concluir o saneamento. Será esse o grande objectivo de Eva Coelho, candidata do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Penafiel, caso seja eleita.

A técnica administrativa de 32 anos é natural de Canelas e diz não entender como, em 2017, um concelho como Penafiel não tem a rede de saneamento concluída.

Aquela que é a única mulher candidata à câmara neste concelho elege também a melhoria dos transportes públicos, dentro e para fora de Penafiel, como uma área de intervenção prioritária. Quer reformulação de horários e defende até a criação de uma rede municipal e transportes para colmatar falhas.

Eva Coelho promete reivindicar o IC35 mas também exigir uma regeneração ao longo da 106, com mais passeios e sinalização.

Diz que é preciso mais obras nas freguesias e promete mais parques infantis e coberturas nos polidesportivos.

Apesar de ter um orçamento pequeno, e menos meios que os outros partidos, a candidata do Bloco de Esquerda diz que está na corrida para ganhar, embora admita que um lugar na vereação ou representação na Assembleia Municipal já seriam uma vitória.

O que a levou a aceitar o desafio de ser candidata pelo Bloco de Esquerda à Câmara de Penafiel?

Está na altura de haver mudança em Penafiel. O Bloco de Esquerda é um partido defensor da igualdade de género e surgiu esta oportunidade. Acho que as mulheres têm de se impor mais na política do concelho. É um desafio para mim.

 

É a única mulher candidata às autárquicas deste ano no concelho. É uma responsabilidade acrescida?

É uma responsabilidade acrescida. Mas são os penafidelenses que vão votar. Vamos ver. Muitos dizem-me a brincar “pelos olhos a menina ganha”. Mas os outros partidos estão mais implementados no concelho que o Bloco de Esquerda. E existem muitas pessoas que ficam reticentes em votar no Bloco, por causa de favores, porque é amigo do amigo, e também porque têm receio das entidades patronais.

Está a dizer que as pessoas se identificam com as ideias do Bloco de Esquerda mas têm medo de assumir isso publicamente?

Sim.

 

Tem sentido isso na rua?

Sim, sentimos muito isso quando andamos na rua.

Diz que quer ser uma alternativa para o concelho. O que é que isso significa em termos práticos?

Quero ser uma alternativa a estes 16 anos que passaram. Em Penafiel houve alterações, o concelho evoluiu em alguns aspectos, mas essas alterações foram sobretudo na cidade, no centro. Sou de uma das freguesias mais distantes. Sou de Canelas. E Canelas está um deserto. Não houve investimento.

Agora, por causa das eleições, fazem-se obras, estão a colocar passeios a torto e a direito, sem pensarem no saneamento. Daqui a quatro anos vão fazer o saneamento, daqui a oito fazem outra coisa qualquer e voltam a rebentar tudo. Estão a gastar agora dinheiro e depois vão voltar a gastar. Era mais fácil ir por partes mas fazer tudo. Ao fazer e gastar que seja para o bem da comunidade. Assim é dinheiro que é deitado fora.

Têm havido muitas festas, comes e bebes e eventos para distrair as pessoas.

A seu ver o investimento está a ser feito apenas no centro do concelho e nas freguesias mais distantes não tem havido investimento?

O investimento realizado é pouco.

 

Qual o balanço que faz do trabalho do executivo liderado por Antonino de Sousa nos últimos quatro anos?

Têm havido muitas festas, comes e bebes e eventos para distrair as pessoas.

 

Mas não houve obras?

Está a haver obras agora. Nesta altura há muitas obras, porque há eleições, mas durante os últimos anos fizeram apenas coisas pequenas. Julgo que não é o suficiente e o que as pessoas gostariam de ter nas suas freguesias.

 

Quais as “festas” que o Bloco de Esquerda não apoiaria?

Não é a questão de apoiar ou deixar de apoiar. Esses eventos são para a comunidade. Mas essas verbas poderiam ser investidas noutras coisas mais prioritárias.

 

Como por exemplo?

No saneamento. Em Eja, freguesia ao lado da de Canelas, não tem nenhum saneamento. A minha freguesia só tem saneamento em 49 casas.

Uma das prioridades do Bloco de Esquerda seria acabar o saneamento no concelho?

Sim, acabar o saneamento, queremos cobertura total, e tratar dos transportes. Em Sebolido, de meia em meia hora estão a sair autocarros para o Porto. Mas de lá para Penafiel não há. Existe de manhã, por volta do meio-dia, e depois ao final do dia. As pessoas estão mais perto do Porto e de Gaia do que de Penafiel e são do concelho de Penafiel. Não faz sentido. Uma pessoa que pretenda deslocar-se ao centro de Penafiel, ir ao centro de saúde às Termas de S. Vicente, se a consulta for às 11 ou ao meio-dia, tem de vir no autocarro das 7h00 da manhã. Se não conseguir apanhar o autocarro das 13h00 só tem à noite e passa ali o dia todo.

 

É por isso que o Bloco de Esquerda defende uma rede municipal de transportes?

Sim.

A maior parte das pessoas que vêm trabalhar para Penafiel tem de vir de carro.

Em que é que isso consistiria?

A maior parte das freguesias tem as carrinhas de nove lugares e, também, existem mini bus. O nosso objectivo passava por usar esses meios para transportar as pessoas que vivem nas freguesias para a EN106, que atravessa Penafiel a Entre-os-Rios. Simultaneamente, defendemos mais autocarros entre Penafiel e Termas de S. Vicente. Queremos que os horários sejam mais compatíveis com os horários de trabalho.

 

Mas essas carrinhas não costumam ocupadas com transportes de crianças? Dava para conciliar?

Dava para conciliar. Criava emprego. Por outro lado, defendemos parcerias com as empresas privadas já existentes no ramo.

Mas não seria preciso adquirir mais carrinhas?

Não tenho acesso ao número de carrinhas que existem, mas teríamos que estudar. Vendo o número de habitantes das freguesias. A maior parte das pessoas que vêm trabalhar para Penafiel tem de vir de carro. Não têm alternativa. Falo em Penafiel ou outro sítio qualquer. Não existem autocarros.

Também não há autocarros, por exemplo, a fazer um trajecto para a estação ou do centro para o hospital. É uma das propostas que gostávamos de ver implementadas. Recentemente, participei num seminário sobre mobilidade que decorreu no Inatel, em Entre-os-Rios, mas as pessoas que estiveram a moderar e a falar sobre o tema não têm noção da realidade do concelho.

 

Está a falar do plano de mobilidade apresentado pela Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa.

Sim. Praticamente estiveram o tempo todo a falar sobre a implementação de bicicletas. Que eu visse ninguém foi para lá de bicicleta e muitos tinham motoristas. Estão a ver o que é as pessoas virem para Penafiel de bicicleta. Se de autocarro, dos sítios mais distantes, demoram 35 a 40 minutos a chegar ao centro de Penafiel, quanto mais de bicicleta.

Acha que a há prioridades a resolver antes de se passar à questão da mobilidade da bicicleta?

Sim. Existem outras prioridades que passam pela existência de mais autocarros, por mais transporte público dentro do município.

 

Estava a falar há pouco da Estação de Novelas. Há quem defenda a criação de uma via pedonal para melhorar o acesso à estação. Concorda?

Sim, mas quem irá beneficiar dessa via são sobretudo as pessoas que fazem desporto. O trabalhador não vem de lá baixo cá acima… É uma distância considerável. Não é plano.

 

Citando palavras suas “a câmara tem pautado a sua actuação por um populismo bacoco baseado em festas e festinhas e sem cuidar dos problemas que realmente importam às pessoas”?

Sim.

Defendemos a deslocalização da Estação da Mobilidade para o Campo da Feira.

Quais são, na visão do Bloco, essas questões que realmente importam às pessoas.

Além do saneamento e da mobilidade há muitas outras questões. Mas na questão da mobilidade também defendemos a deslocalização da Estação da Mobilidade para o Campo da Feira. Depois queremos que sejam criados centros de apoio a doentes especiais e uma rede municipal de cuidadores; mais condições nas escolas; políticas mais inclusivas para combater a pobreza e a exclusão social; comparticipação de medicamentos às famílias carenciadas; apoio ao arrendamento jovem; sensibilizar a população para o combate ao desperdício; ter um verdadeiro orçamento participativo; rever a questão do estacionamento pago na cidade, que afasta as pessoas e prejudica os comerciantes; entre outros.  

Também defendemos a reabertura do centro de saúde que está fechado ao fim-de-semana. Não faz sentido nenhum estarmos a ir para o concelho vizinho.

 

Está a falar do SASU?

Sim. Não faz sentido o SASU ter saído de Penafiel. Temos muita população aqui. E também não faz sentido ter que pagar estacionamento no Hospital Padre Américo. Vamos lutar para que o estacionamento volte a ser gratuito.

Tem falado de “graves problemas sociais e assimetrias territoriais” ainda não resolvidas. Quer dar exemplos?

Tem a ver com o facto de o investimento ser todo centralizado e o resto do concelho ser paisagem. Depois fazem parques para as crianças, coisas pequenas, mas não chega.

Queremos criar e remodelar espaços como parques infantis nas freguesias e fazer coberturas dos polidesportivos existentes permitindo a sua utilização durante todo o ano. Também defendemos a criação de um parque de campismo junto ao Rio Douro e Tâmega.

Na área das freguesias, também queremos que sejam adaptados os horários às necessidades reais da população para que consigam ter acesso aos serviços. E com o Bloco vamos repor os apoios retirados às freguesias, colectividades e associações.

Para os jovens queremos a criação do parque radical há muito reivindicado e uma rede de transportes que lhes permita aceder às actividades desportivas e culturais do concelho.

Queremos criar e remodelar espaços como parques infantis nas freguesias e fazer coberturas dos polidesportivos existentes

Houve coisas bem-feitas nos últimos quatro anos?

Não estou a ver.

 

Nem os planos de apoio social ou de apoio ao investimento?

Concordo com a atribuição dos seguros de saúde aos bombeiros do concelho. No que toca às tarifas sociais, por exemplo, os requisitos que a câmara exige não se ajustam à população. Se formos a preencher os papéis ninguém consegue ter os requisitos exigidos para ter a tarifa social da água. Um dos nossos objectivos passa por reformular os critérios e taxas municipais aplicadas para obter a tarifa social da água, colocando critérios idênticos aos da tarifa social da electricidade, que existem a nível nacional.

Isso permitiria abranger mais famílias?

Sem dúvida.

 

Já avaliou o executivo. E a oposição, tem sabido cumprir o seu papel ou fica aquém do esperado?

Ficou aquém. Acho que podia exigir mais, trabalhar mais no sentido de melhor as condições para Penafiel, para que houvesse mais obras, captação de investimento e criação de emprego. Sei que há uma empresa que está há dois ou três anos à espera de uma assinatura da parte da câmara para poder trazer para aqui a sede.

Mas voltando ao PS, penso que podia trabalhar mais.

A oposição ficou aquém. Acho que podia exigir mais, trabalhar mais

É isso que o Bloco e Esquerda se propõe a fazer?

Sim.

 

Caso chegue à vereação o partido vai ser mais reivindicativo, mais persistente?

Sim, mais activo.

 

Uma das vossas prioridades também passa pela despoluição do Rio Sousa.

Temos como prioridade a preservação dos rios. Temos conhecimento de várias descargas no Rio Sousa, mas não temos provas. Queremos contribuir para que os rios estejam mais limpos, não só no leito mas também nas margens, e criar espaços de lazer junto ao rio. E sensibilizar a comunidade para fazer limpezas não apenas dos rios mas da natureza. Há muita coisa para limpar.  A questão da limpeza das matas para prevenir os incêndios, por exemplo. A Câmara deve ter esse papel de incentivar e desenvolver acções de limpeza.

Ainda na área do Ambiente, queremos que seja revista a questão do Aterro Sanitário em Rio Mau, que já devia ter sido encerrado.

 

Outra das ideias que o Bloco de Esquerda defende é a captação de emprego mas com direitos. Há muito emprego sem direitos em Penafiel?

As pessoas têm medo. Tenho colegas meus que dizem que se reivindicarem algum direito vêm automaticamente para a rua. Vêm-se obrigados a trabalhar mais de oito horas e muitas vezes para o “banco de horas”, nem sempre são pagos.

Queremos captar empresas para Penafiel que respeitem os direitos dos trabalhadores.

Queremos captar empresas para Penafiel que respeitem os direitos dos trabalhadores.

Nessa área de captação de investimento, o que é que acha que é preciso fazer? Os planos de captação de investimento da autarquia têm sido suficientes?
É preciso mais. É preciso captar mais emprego  revitalizar e criar condições favoráveis ao investimento nas zonas industriais do concelho.

Ainda existem muitas pessoas em casa que estão desempregadas.

 

Na sua opinião, as juntas, associações e colectividades têm recebido o devido apoio da autarquia?

É preciso apoiar mais. Há associações que efectivamente têm trabalhado com a comunidade, têm feito um bom trabalho, mas mesmo estas têm algumas dificuldades financeiras.

E há desigualdade nos apoios. E desigualdade no tratamento das juntas de freguesia por questões partidárias.

O que é que o Bloco de Esquerda defende que deve mudar nesse aspecto?

Deve haver igualdade para todos. Apesar de existirem associações que precisam de mais apoio, dependendo do seu âmbito. Há que ver caso a caso.

A coligação PSD/CDS diz que conseguiu este mandato a maior redução de dívida dos últimos 10 anos. Reconhece mérito a este executivo?

Quem fez a dívida foi a Coligação também. Durante estes últimos 16 anos foram feitos muitos investimentos mas não nas coisas prioritárias.

Uma das questões que tem marcado a luta de sucessivos executivos é a do IC35. Ainda acredita na construção desta obra? Culpa os partidos que têm gerido a câmara por não a terem sabido reivindicar ou os governos?

Culpo os partidos locais e em parte o Governo. Recordo-me que foi feita uma marcha lenta de Castelo de Penafiel até Penafiel. Nessa altura, o presidente da Câmara de Penafiel não foi quando todos os outros estiveram presentes. Agora, reivindica. Diz que é preciso fazer, diz que é uma obra urgente.

O IC35 faz falta e sempre fez. Há que avançar com o IC35, mas há que, também, fazer obras na EN106, os passeios, a sinalização. Existe lá muito comércio, restaurantes. É uma via que tem muito tráfego.

O IC35 faz falta e sempre fez. Há que avançar com o IC35, mas há que, também, fazer obras na EN106

Está a falar de uma regeneração urbana semelhante à que foi feita nas Termas de S. Vicente?

Sim. Fazer a continuação. O que fizeram nas Termas de S. Vicente era fazer nas freguesias todas.

 

Ainda acredita na execução do IC35?

Sim.

 

O que é que Bloco de Esquerda, caso seja eleita, vai fazer para pedir esta obra para o concelho?

O que for preciso. Iremos deslocarmo-nos à Assembleia da República.

 

Era importante acabar com o bipartidarismo na câmara de Penafiel?

Sim, fazem falta outras cores políticas. Algumas das que lá estão não conhecem os casos reais.

 

Acredita na vitória?

Sim.

 

Eleger um vereador ou ter representação na Assembleia Municipal já seria uma vitória?

Seria uma vitória, mas estamos aqui para ganhar.

 

Teme que a existência de mais candidaturas nestas autárquicas prejudique a votação do Bloco de Esquerda?

Não. É irrelevante. Somos todos candidatos. Cada um tem as suas ideias mas são os penafidelenses que vão votar, independentemente de sermos uma, duas, três ou seis candidaturas.

O orçamento do Bloco Esquerda não permite dar tanta visibilidade aos projectos. Não tenho capacidade para fazer o que os outros candidatos estão a fazer

Estamos a falar de candidaturas com orçamentos muito diferentes, isso faz com que não lutem em pé de igualdade?

Não. O orçamento do Bloco Esquerda não permite dar tanta visibilidade aos projectos. Não tenho capacidade para fazer o que os outros candidatos estão a fazer, o porta-a-porta, a colocação de cartazes por todo o lado, os flyers nas caixas do correio. Enviei este flyer que ficou por mais de seiscentos euros, dos dois mil euros que tenho disponíveis.

Tenho que esticar ao máximo para conseguir chegar a todo concelho. Eu e mais alguns camaradas andamos de noite a colocar cartazes e somos nós que fazemos a imagem em casa. Fazemos o trabalho todo, pregar pregos, colar…

Tento ir às freguesias, participar em algumas actividades, mas não tenho a estrutura que os outros partidos têm.

 

Isso dá mais valor aos resultados que conseguem?

Quem anda por gosto não cansa.

O Bloco de Esquerda vai candidatar-se a quantas Assembleias de Freguesia?

Duas, a de Eja e a de Penafiel.

 

Se Eva Coelho for eleita presidente da câmara como é que estaria o concelho daqui a quatro anos?

Se puder e me deixarem prometo concluir o saneamento. Não faz sentido, em 2017, Penafiel não ter o saneamento acabado.