Publicidade

Contribuir para a coesão e promoção do território a nível cultural e mostrar à região e ao país um património vasto e rico, muitas vezes ignorado, são os grandes objectivos do Festival Confluências.

Durante 11 fins-de-semana, 11 quintas barrocas dos 11 municípios que integram a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa vão receber concertos e espectáculos culturais com nomes reconhecidos do panorama nacional, mas também envolvendo as comunidades e os artistas da região.

No total, serão 22 dias de programação cultural, com 66 concertos, 22 espectáculos para famílias e 15 novas criações.

Virgem Suta, Salvador Sobral, Sean Riley & The Slowriders, Celina da Piedade, First Breath After Coma, Best Youth, Dead Combo, Birds Are Indie, Noiserv e Samuel Úria são alguns dos nomes convidados.

O  Festival Confluências – Quintas do Barroco do Tâmega e Sousa começa a 6 e 7 de Maio, em Amarante, e termina em Julho, em Castelo de Paiva.

 

“É um projecto interessante e inovador que devia ser replicado noutras comunidades intermunicipais”

A Quinta da Aveleda, em Penafiel, recebeu, esta sexta-feira, a apresentação do Festival Confluências, uma iniciativa promovida pela Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa – composta pelos concelhos de Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Penafiel e Resende –, em parceria com a Direcção Regional de Cultura do Norte e a Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal.

Além de concertos, os visitantes poderão conhecer as quintas, muitas delas até agora fechadas ao público, já que são espaços privados. Haverá ainda espectáculos para famílias que vão dar a conhecer lendas da região.

Este evento em rede pretende “privilegiar actividades que estimulem a visibilidade e atractividade das quintas e casas nobres do período barroco, enquanto lugares de experiência turística de qualidade e diferenciadora e de fruição cultural distinta, mas também contribuir para a formação de novos públicos culturais, envolvendo os agentes culturais e a comunidade local na construção da programação e proporcionando novas experiências e memórias aos visitantes, turistas e residentes”.

Durante a apresentação do programa, o presidente do conselho intermunicipal da CIM do Tâmega e Sousa, realçou que o barroco é um dos denominadores comuns de um território vasto e com características próprias. “Queremos agradecer a todos os proprietários que aceitaram abrir as portas e mostrar os seus tesouros”, disse Inácio Ribeiro, também presidente da Câmara Municipal de Felgueiras. “Este evento não é para massificações, é para que se possam apreciar os espaços e para que possam ser visitados no futuro”, realçou o autarca.

Já Melchior Moreira, considerou este um “projecto interessante e inovador que devia ser replicado noutras comunidades intermunicipais”. Para o presidente da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal “esta é uma região com um património riquíssimo mas que se não for animado não tem quase valor nenhum”.

Carlos Martins, da Opium, responsável pela direcção executiva e artística do evento, destacou a importância de “tirar partido do que já se tem” para criar desenvolvimento, que é o que acontece com as quintas barrocas, e ainda a importância de envolver a comunidade local e o “património humano da região”.

Os espectáculos vão decorrer na Casa da Boavista (Celorico de Basto), Casa da Companhia (Penafiel), Casa da Quinta da Calçada (Cinfães), Casa da Soenga (Resende), Casa de Simães (Felgueiras), Casa de Vila Verde (Lousada), Obras do Fidalgo (Marco de Canaveses), Solar da Fisga (Castelo de Paiva), Solar dos Brandões (Paços de Ferreira) e Solar dos Magalhães (Amarante).

Pode consultar a programação aqui.