Hélio-Rebelo_featuredO Ano de 2015, em Valongo, podia ser designado como o ano do azeite, um ano em que a verdade, e lembrando o conhecido provérbio popular, veio ao de cima!

Logo no início do ano, sem grande surpresa, tivemos conhecimento do “modus operandi” do atual presidente da câmara nas eleições de 2013. Agora todos sabemos, na primeira pessoa, a forma cobarde como foi criado e distribuído o flyer “Polvo à Vallis Longus”. Este abjeto acontecimento de 2013, revelado em 2015, vai com certeza fazer correr muita tinta em 2016!

O ano foi também marcado pelos apoios ao desporto, pelos verdadeiros apoios ao desporto, sempre por iniciativa da oposição e contrariando a falta de iniciativa, e mesmo de vontade, do atual presidente. Foi por iniciativa dos vereadores do PSD (e da CDU), que foi aprovado o apoio de 100 mil euros ao A. C. Alfenense e o apoio de 10 mil euros ao o S. C. de Campo. Foi também por proposta do PSD que os contrato-programa de desenvolvimento desportivo foram reforçados em cerca de 25 mil euros contrariando a proposta inicial do PS que reduzia substancialmente o apoio à formação desportiva.

Em 2015 tivemos também o reequilíbrio económico-financeiro do contrato de concessão dos SMAES. Na proposta inicial o PS não só propunha um aumento de tarifas para fazer face ao reequilíbrio necessário como propunha um aumento maior capaz de gerar aos cofres municipais cerca de 200 mil euros ano. O PSD considerou injustificada a proposta de revisão do tarifário da água e não aceitou os aumentos que ia além das necessidades justificadas contratualmente.

Foi também este ano, e uma vez mais por proposta do PSD, que foi introduzido o IMI Familiar em Valongo, permitindo assim aos agregados com 1, 2, 3 ou mais filhos obterem um desconto no IMI de 2016. De registar que o PS considerou esta redução injusta!

Outras das verdades que veio ao de cima foi a tão proclamada poupança com o corte do n.º de chefias. Em 2013 o PS encontrou na câmara 12 chefias. De imediato reduziu para 8 e prometeu que a poupança seria para ação social. Só que agora, em 2015, o PS tem 14 chefias – mais 2 do que no mandato anterior. A tal redução de que se falava passou a ser um aumento de despesa superior a 1 milhão de euros.

Já a terminar o ano o PS veio falar da introdução de portagens em Ermesinde pondo fé num suposto acordo entre o anterior governo e a empresa pública Infraestruturas. Só que a verdade é que a única referência formal a uma possível reintrodução de portagens está numa Resolução do Conselho de Ministros n.º 198-B/2008, aprovada no tempo do Eng. Sócrates. Neste acordo, previa-se a possível reintrodução se e quando, cumulativamente, se procedesse ao alargamento, que não está feito, e, houvesse decisão do Governo nesse sentido, que também não se conhece. Naturalmente, sobre esta matéria, o PSD considera a suposição inaceitável e opõe-se completamente à introdução de portagens no troço supracitado.

Estas foram algumas das verdades de 2015. Outras ficaram por contar!

A todos desejo umas BOAS FESTAS.

Partilhar
Artigo anteriorPresépio na Cidade
Próximo artigoO não Natal
Vereador da Câmara Municipal de Valongo pelo Partido Social Democrata